30 novembro 2010

Eu, por mim, sonhava com você em todas as cores. ♫

renato russo.

vem comigo procurar algum lugar mais calmo,
longe dessa confusão e dessa gente que não se respeita.
tenho quase certeza q eu não sou daqui...

o teatro mágico.

Que sei que aqui no mundo espero alguém. 
Alguém que...
QUE ME FAÇA ESPERAR PELO AGORA!

♫ blues da piedade, cazuza.

Agora eu vou cantar pros miseráveis, que vagam pelo mundo derrotados... 
Pra essas sementes mal plantadas que já nascem com cara de abortadas!
Pras pessoas de alma bem pequena, remoendo pequenos problemas, 
querendo sempre aquilo que não têm. 
Pra quem vê a luz mas não ilumina suas minicertezas, 
vive contando dinheiro e não muda quando é lua cheia...
Pra quem não sabe amar, fica esperando alguém que caiba no seu sonho, 
como varizes que vão aumentando... como insetos em volta da lâmpada!

Vamos pedir piedade:
Senhor, piedade...
Pra essa gente careta e covarde.
Vamos pedir piedade:
Senhor, piedade...
Lhes dê grandeza e um pouco de coragem!

Quero cantar só para as pessoas fracas, que tão no mundo e perderam a viagem.
Quero cantar o blues com o pastor e o bumbo na praça!
Vamos pedir piedade, pois há um incêndio sob a chuva rala...
Somos iguais em desgraça, vamos cantar o blues da piedade:

Vamos pedir piedade:
Senhor, piedade...
Pra essa gente careta e covarde.
Vamos pedir piedade:
Senhor, piedade...
Lhes dê grandeza e um pouco de coragem!

A bagagem do vovô Sam Levenson


Sam Levenson, em sua imensa sabeboria, escreveu para suas netas, filhas de Audrey,  sobre um pouco da bagagem da qual ela desejava deixar para elas como presente: o conhecimento. Audrey Hepburn, leu o poema para as filhas na véspera do Natal de 1992. Na minha opinião, não há outro presente à altura da sabedoria.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
1.
Para ter lábios atraentes, diga palavras doces.
2.
Para ter olhos belos, procure ver o lado bom das pessoas.
3.
Para ter um corpo esguio, divida sua comida com os famintos.
4.
Para ter cabelos bonitos, deixe uma criança passar seus dedos por eles pelo menos uma vez por dia.
5.
Para ter boa postura, caminhe com a certeza de que nunca andará sozinha.
6.
Pessoas, muito mais que coisas, devem ser restauradas, revividas, resgatadas e redimidas; jamais jogue alguém fora.
7.
Lembre-se que, se alguma vez precisar de uma mão amiga,
você a encontrará no final do seu braço. Ao ficarmos mais velhos, descobrimos porque temos duas mãos, uma para ajudar a nós mesmos, a outra para ajudar o próximo.
8.
A beleza de uma mulher não está nas roupas que ela veste, nem no corpo que ela carrega, ou na forma como penteia o cabelo. A beleza de uma mulher deve ser vista nos seus olhos, porque esta é a porta para seu coração, o lugar onde o amor reside.
9.
A beleza de uma mulher não está na expressão facial, mas a verdadeira beleza de uma mulher está refletida em sua alma. Está no carinho que ela amorosamente dá, na paixão que ela demonstra.
10.
A beleza de uma mulher cresce com o passar dos anos e de suas experiências.

chico buarque.

a felicidade morava tão vizinha que, de tolo, 
até pensei que fosse minha!

29 novembro 2010

A gente se acostuma.

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.
A gente se acostuma a morar em apartamento de fundos e não ver vista que não sejam as janelas ao redor. E porque não tem vista logo se acostuma a não olhar para fora. E porque não olha para fora, logo se acostuma e não abrir de todo as cortinas. E porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, se esquece do sol, se esquece do ar, esquece da amplidão.
A gente se acostuma a acordar sobressaltado porque está na hora. A tomar café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder tempo. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.
A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E não aceitando as negociações de paz, aceitar ler todo dia de guerra, dos números, da longa duração.
A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: “hoje não posso ir”. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisa tanto ser visto. 
A gente se acostuma a pagar por tudo o que se deseja e necessita. E a lutar para ganhar com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagará mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra. 
A gente se acostuma a andar nas ruas e ver cartazes. A abrir as revistas e ler artigos. A ligar a televisão e assistir comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos. 
A gente se acostuma à poluição, às salas fechadas de ar condicionado e ao cheiro de cigarros. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam à luz natural. Às bactérias de água potável. À contaminação da água do mar. À morte lenta dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinhos, a não ter galo de madrugada, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta por perto. 
A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta lá.
Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente só molha os pés e sua o resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito que fazer, a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem muito sono atrasado.
A gente se acostuma a não falar na aspereza para preservar a pele. Se acostuma para evitar sangramentos, para esquivar-se da faca e da baioneta, para poupar o peito.
A gente se acostuma para poupar a vida.
Que aos poucos se gasta, e que, de tanto acostumar, se perde de si mesma.

Quelqu'un M'a Dit ♪

On dit que le destin se moque bien de nous
Qu'il ne nous donne rien et qu'il nous promet tout
Parait qu'le bonheur est à portée de main
Alors on tend la main et on se retrouve fou
Pourtant quelqu'un m'a dit
Que tu m'aimais encore
C'est quelqu'un qui m'a dit que tu m'aimais encore
Serais ce possible alors


Disseram-me que o destino debocha de nós
Que não nos dá nada e nos promete tudo
Faz parecer que a felicidade está ao alcance das mãos,
Então a gente estende a mão e se descobre louco
No entanto alguém me disse...
Que você ainda me amava,
Foi alguém que me disse que você ainda me amava.
Seria possível então?

tout le monde ♪

il faudrait que tout le monde réclame auprès des autorités une loi contre toute notre solitude.
(seria preciso que todo mundo pedisse junto às autoridades uma lei contra toda nossa solidão.)

Eu aprendi...

...que ter uma criança adormecida nos braços é um dos momentos mais pacíficos do mundo;
...que ser gentil é mais importante do que estar certo;
...que nunca se deve negar um presente a uma criança;
...que eu sempre posso fazer uma prece por alguém quando não tenho a força para ajudá-lo de alguma outra forma;
...que não importa quanta seriedade a vida exija de você, cada um de nós precisa de um amigo brincalhão para se divertir junto;
...que algumas vezes tudo o que precisamos é de uma mão para segurar e um coração para nos entender;
...que os passeios simples com meu pai em volta do quarteirão nas noites de verão quando eu era criança fizeram maravilhas para mim quando me tornei adulto;
...que deveríamos ser gratos a Deus por não nos dar tudo que lhe pedimos;
...que dinheiro não compra "classe";
...que são os pequenos acontecimentos diários que tornam a vida espetacular;
...que debaixo da "casca grossa" existe uma pessoa que deseja ser apreciada, compreendida e amada; 
...que Deus não fez tudo num só dia; o que me faz pensar que eu possa?
...que ignorar os fatos não os altera;
...que quando você planeja se nivelar com alguém, apenas esta permitindo que essa pessoa continue a magoar você;
...que o AMOR, e não o TEMPO, é que cura todas as feridas;
...que a maneira mais fácil para eu crescer como pessoa é me cercar de gente mais inteligente do que eu;
...que cada pessoa que a gente conhece deve ser saudada com um sorriso;
...que ninguém é perfeito até que você se apaixone por essa pessoa;
...que a vida é dura, mas eu sou mais ainda;
...que as oportunidades nunca são perdidas; alguém vai aproveitar as que você perdeu.
...que quando o ancoradouro se torna amargo a felicidade vai aportar em outro lugar;
...que devemos sempre ter palavras doces e gentis pois amanhã talvez tenhamos que engoli-las;
...que um sorriso é a maneira mais barata de melhorar sua aparência;
...que não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito;
...que todos querem viver no topo da montanha, mas toda felicidade e crescimento ocorre quando você esta escalando-a;
...que só se deve dar conselho em duas ocasiões: quando é pedido ou quando é caso de vida ou morte;
...que quanto menos tempo tenho, mais coisas consigo fazer. 


Shakespeare.

cuida de mim, o teatro mágico. ♫

Pra falar verdade, às vezes minto
Tentando ser metade do inteiro que eu sinto
Pra dizer as vezes que às vezes não digo
Sou capaz de fazer da minha briga meu abrigo
Tanto faz não satisfaz o que preciso
Além do mais, quem busca nunca é indeciso
Eu busquei quem sou;
Você, pra mim, mostrou
Que eu não sou sozinho nesse mundo.
Cuida de mim enquanto não me esqueço de você
Cuida de mim enquanto finjo que sou quem eu queria ser.

-


"...não me basta ser o tipo de homem que é digno no mundo - o que quero mesmo é ser o tipo de homem do qual o mundo não é digno."

vagalumes, o teatro mágico. ♪


deixa pra lá, o que não interessa,
  a gente não tem pressa de viver assim
feito platéia da nossa própria peça: 
histórias, prosas, rimas, sem começo e fim.
pra temperar os sonhos e curar as febres,
inserir nas preces do nosso sorriso,
brincando entre os campos das nossas idéias...
somos vagalumes a voar perdidos... 
a voar perdidos!

o teatro mágico.


e não tem cura...
acho que me perdi numa excursão que fiz pra lua
no meu universo o sol é solidão
e não tem cura...
acho que me perdi numa excursão que fiz pra lua
no meu único verso o sol é solidão.


uma parte que não tinha 
~♫ 

a cadeira "vazia".

Um pastor foi chamado par a orar por um homem muito enfermo. Quando o pastor entrou no quarto, encontrou o pobre homem na cama com a cabeça apoiada num par de almofadas. Havia uma cadeira ao lado da cama, fato que levou o pastor a pensar que o homem estava aguardando a sua chegada.
Suponho que estava me esperando? Disse o pastor.
Não, quem é você? Respondeu o homem enfermo.
Sou o pastor que a sua filha chamou para orar por você; quando entrei e vi a cadeira vazia ao lado da sua cama, imaginei que você soubesse que eu viria visitá-lo.
Ah sim, a cadeira! Entre e feche a porta.
Então o homem enfermo lhe disse: Nunca contei para ninguém, mas passei toda minha vida sem ter aprendido a orar. Não sabia direito como se deve orar. E nunca dei muita importância para a oração. Pensava que Deus estava muito distante de mim. Assim sendo, há muito tempo abandonei por completo a idéia de falar com Deus. Até que um amigo me disse: “José, orar é muito simples, orar é conversar com Jesus, e isto eu sugiro que você nunca deixe de fazer; você se senta numa cadeira e coloca outra cadeira vazia na sua frente. Em seguida, com muita fé, você imagina que Jesus está ali, bem diante de você. Afinal ele mesmo falou:
’Eu estarei sempre com vocês’. Portanto, você pode falar com Ele e escutá-lo, da mesma maneira como está fazendo comigo agora.”
Pois assim eu procedi e me adaptei à idéia.
Desde então, tenho conversado com Jesus durante umas duas horas diárias. Tenho sempre muito cuidado para que minha filha não me veja, pois me internaria num manicômio imediatamente.
O pastor sentiu uma grande emoção ao ouvir aquilo, e disse a José que era muito bom o que estava fazendo e que não deixasse nunca de fazê-lo. Em seguida orou com ele e foi embora.
Dois dias depois, a filha de José comunicou ao pastor que seu pai havia falecido.
O pastor então perguntou: “Ele faleceu em paz?”
Sim, quando eu estava me preparando para sai, ele me chamou ao seu quarto, disse que me amava muito e me deu um beijo. Quando eu voltei das compras, uma hora mais tarde, já o encontrei morto.
Porém há algo de estranho em relação à sua morte, pois aparentemente antes de morrer, chegou perto da cadeira que estava ao lado da cama e encostou a cabeça nela. Foi assim que eu o encontrei.
Por que será isto, pastor? Perguntou a filha.
O pastor, profundamente emocionado, enxugando as lágrimas, respondeu:
“Ele partiu nos braços do seu melhor amigo.”  
(autor desconhecido)

O MAIS IMPORTANTE...

O MAIS IMPORTANTE É CONTINUARMOS SENDO PARCEIRAS...


...ATÉ O FIM DE NOSSAS VIDAS!

E é claro que eu sou a penúltima da esquerda pra direita, com maiô de florzinha.
NEM VEM, FALEI PRIMEIRO!
;D

28 novembro 2010

renato russo.

e nossa história, não estará 
pelo avesso, assim,
sem final feliz...
teremos coisas bonitas pra contar!
e até lá... vamos viver
temos muito ainda por fazer
não olhe pra trás
apenas começamos
o mundo começa agora
apenas começamos...

Às vezes me sinto como quem observa o mundo pelo olho mágico, por outras como quem abre a janela e sai voando... Ouço de relance uma voz que me chama, que me chama para vida, para diferentes emoções, sensações, cores e amores...
Às vezes acho que a vida se resume em um breve suspiro. Não quero ser morta por intermédio da estupidez humana.
Eu queria saber um pouco sobre a estranha astronave que vejo de longe pousar em minha vida, todavia é preciso deixar fluir... Queria ler a sinopse do filme em cartaz: "Le fabuleux destin d'M.B.C.", mas a sequência de cenas é feita dia após dia, sem direito a roteiro de gravação.
Eu quero dançar, a música não para, não irei inventar coreografias, o charme das pistas é o improviso... Minha mente pulsa pelo novo, pelo desconhecido e aos poucos tento expulsar os fantasmas que me prendem ao solo.
Eu quero voar, ganhar o mundo, sei que posso tê-lo aos meus pés e se mais um pouco quiser, girá-lo na ponta do meu dedo indicador.
Eu amo o amor e a capacidade de fazê-lo aflorar.
Tento compreender o mundo, mesmo sem vontade alguma... e falho! Talvez seja bom... 
Amo a vida e acho que é recíproco.
Esta sou eu, imortal no limite das minhas razões e eterna enquanto eu durar.

27 novembro 2010

crises loucas. ❥


(Não tem título)
O despertar fora tranquilo e feliz como a há muito não havia. Um pensamento, uma luz  havia despertado aquele precioso sentimento de vitória. Antes disto, porém, eu precisei entender algumas coisas. Precisei passar por alguns conflitos internos e até mesmo externos, para chegar ao ponto onde estou.
            Eu nunca consegui entender a distinção entre “bem e mal” que as pessoas ousam classificar. Durante toda a vida nos deparamos com inúmeras citações equivocadas, com ditados clichês e opiniões estereotipadas e meramente racionais. Embasados em tais conceitos nós moldamos nossa personalidade. Personalidade clonada, talvez aperfeiçoada, mas cética a ponto de nos fazer ter certeza daquilo que deveríamos entender ser aparente. Um ponto de vista diferente não está, absolutamente, errado. Mera ilusão esta de idealizar conceitos certos. Não existem conceitos certos ou errados, bons ou ruins. A forma como você observa as coisas, a forma com que você as deixa influenciar a sua vida é que são passíveis de classificação.
            Eu disse não entender a (equivocada) classificação entre o bem e o mal. De certo algo me despertou e o que parecia confuso tornou-se nítido. Eu já não entendia ser possível ouvir o ditado “o tempo tudo cura” sem sentir um mínimo repúdio. O repúdio não mais derivava do tempo, por não ter me curado, mas pelo fato da tamanha imbecilidade de não ter percebido antes que havia sido dominada, por não ter percebido antes a solução que sempre esteve tão óbvia, tão clara.
            De uma coisa as pessoas têm medo... elas têm medo da dor, medo de sofrer, medo de se entregarem a algo que vá lhes causar dor. O tempo, por sua vez, é a esperança de superação. O tempo é o que sempre se espera. “Só o tempo pode curar a dor e colocar as coisas em seu devido lugar”. UAU! Com uma frase desta a gente não espera só o tempo passar, esperamos também a cura, a salvação, as coisas em seu devido lugar. As orações tornam-se exaustivamente decoradas.
            As pessoas são aquilo que acreditam ser. O que elas acreditam é o que as direcionam. Eu acredito na força do amor, do perdão, da perseverança. Eu acredito na amizade, no carinho, no abraço protetor, nas lágrimas compartilhadas, sejam elas nos momentos de dor, sejam na comemoração de uma conquista. Acreditei, porém, por muito tempo, que o tempo fosse me curar. O tempo passou e eu ainda estava ali esperando por ele. “Dê tempo ao tempo.” Não era o que diziam? Eu dei meu tempo a ele, em troca ele se esqueceu de mim. Mas o que seria a cura? Um anestésico? Talvez uma borracha? Não, obrigada. Não quero me curar. Quero sentir a dor, é ela que me revigora. Acordei!
            A malvada dor é quem esteve ao seu lado durante todo o tempo em que você esperava pelo tempo. O tempo havia se esquecido de você, a dor não! Ali estava ela, se alastrando, mais forte do que nunca, te machucando, te deixando fraco, impotente, te fazendo sofrer. Eu senti essa dor e acredite, agradeço a Deus todos os dias por isso. Ao “cair na real” você deixa de se culpar, de culpar as pessoas, seu cachorro, travesseiro, espelho, celular, chinelo e até o danoninho do café da manhã. Mais que isso, você enxerga, finalmente, que a vida é mesmo uma passagem e que seu tempo está se acabando. E percebe que o tempo é apenas uma circunstância, mas que precisa amar a dor, pois foi ela quem persistiu ao seu lado durante todo esse tempo enquanto você se iludia e não percebia que ela estava insistindo em você, tentando te ajudar. Todos aqueles sintomas que ela te causou foram pra te impulsionar, pra te fazer reagir. A dor é o remédio que não se compra. Lembre-se dos seus amigos: às vezes é necessário um puxão de orelha, uma conversa dolorosa, um ato aparentemente cruel, para que você compreenda, lute e se recompense.
            Sinta a dor de uma forma diferente daqui pra frente. Não a rejeite e não a cause; ela sabe exatamente quando estar presente (bem como aquele seu amigo, que mesmo não estando ali, sempre presente, mas que sempre estará por perto de alguma forma, quando você precisar). A dor é amiga!
            Depois de tantas conclusões, eu senti a dor partir. Ela estava indo ajudar outra pessoa e eu só sentia a minha força se renovar e meu coração a palpitar na mesma frequência em que, antes de inerte, havia sido sintonizado. A frequência do amor! Eu estava sentindo a recompensa da dor. Toda ela se transformara milimetricamente em amor, e este eu sabia, não me deixaria.


freedom.

Fernando Pessoa estava certo:
A liberdade é o EXATO espaço que a felicidade precisa!
(grifo nosso)

O mundo está mudando. As crianças também.






Difícil é entender o ponto a que chegamos, onde crianças, que deveriam estar preocupadas com coisas triviais, têm muito mais consciência do caos que estamos vivendo do que os grandes chefes de Estado.
Para eles a regra é clara: lucrar a qualquer custo, afinal, não estarão aqui para sofrer o resultado, as consequências de suas barbáries. As crianças é que irão viver as consequências. Eles não têm nada a ver com isto, não é mesmo? Elas que se preocupem!
(REPOSTAGEM)

26 novembro 2010

Obstáculos?

Não tropeçamos em grandes montanhas, mas em pequenas pedras.
Pense nisto.

A JUSTIÇA.

É por ela que colocarei a alma, a cabeça e o coração naquilo que fui destinada a resguardar: o Direito. Por ela hei de lutar até que se esgotem todos os meios admissíveis.
 
"Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las." (Voltaire)

O outro lado.


Ainda de "LUTO PELO RIO DE JANEIRO" tá na hora de olhar para o outro lado dessa novela. Como já disse meu amigo Zeca: "Tudo isso acontece todos os dias nas comunidades. Hoje está todo mundo alarmado só porque o fogo chegou no calçadão... incomodou, né?!"
Enquanto o sangue do pobre, do "preto", do favelado se espalhava pelo chão, a socialite assistia a tudo calada. Foi só vivenciarem o que acontece diariamente nas favelas para que o caos se espalhasse mundialmente. 
Agora a população começa a entender o significado de "terror". 
Agora a classe média/alta consumidora vê onde seu dinheiro foi investido. 
Agora os policiais que facilitam a entrada e o comércio de drogas e armas, vendo seus filhos e sua família em desespero e sem defesa começam a entender o que o dinheiro não compra: a paz. 
Agora os políticos, corruptos, que negociam com marginais percebem de que lado está a força. 
Agora o mundo entende que PACIFICAR É NECESSÁRIO. 
Agora os culpados são os favelados. 
Mas afinal, de onde sai o dinheiro? Daqueles pobres que trabalham o dia inteiro pra ganhar menos do que um prato de comida? Daqueles que choram de fome dia e noite? Daqueles quem veem seus filhos e pais necessitando de vagas em hospitais, de caridade, de afeto, de uma esmola? NÃO. O dinheiro vem de quem tem dinheiro.
Continue ajudando o tráfico. Veja as pessoas que você ama morrendo na sua frente sem que você possa fazer nada. 
Ou... Repense seus hábitos, suas atitudes: a qualquer momento elas se voltam contra você. 
E você não tem armas. Eles têm.
Passe adiante essa ideia.

(Dica de música para refletir: Respeito é pra quem tem - Mv Bill e Charlie Brown Jr. ♫)

O RIO DE JANEIRO CONTINUA LINDO?
 

Reggae. ☮

Hoje lhe vi passar
E depois daquele olhar que a gente se lançou
Ficou mais do que evidente
No meu consciente a vontade de você
O motivo foi olhos nos olhos
Foi melhor que a encomenda
Porque além de linda e bela
Sua humildade é realmente é o que te revela
Ei mulher, de você só quero amor
E mais nada
Ei mulher, de você só quero amor
Pra eternizar essa balada
Ouvi você dizer
Eu sei que não foi pra mim
Mas só de olhar pro seu rosto
Já sinto o desejo, sua boca, seu beijo
Você disse que adorava o verão
Disse que amava o sol
Queria ver qual era da paixão
Numas dessas noites de luar
Não quero ser apenas a estação
Deixe-me ser só seu
Pra toda noite que a gente se encontrar
Só haja o sentimento e a tal da lua cheia
Ei mulher, de você só quero amor
E mais nada.

((♫)) Escute e sinta a vibe: Planta & Raiz - De você só quero amor.

dialog.

(...)

Posso segurar sua mão?
Não.
Por quê?
Porque vai me machucar muito quando você soltar.

Planta & Raiz

~ 
De que valem os ouvidos se não houver atenção?
De que valem os olhos sem as paisagens?
De que vale o vento sem uma direção?
Pensar na ida sem a viagem?
De que vale o amor sem alguém pra amar?
Falar em Deus sem acreditar?
De que vale o Sol sem chover?
Só não me sinto só com você...

Segue a vida... Deixa rolar!

Preciso de Ti

(...)
Distante de Ti Senhor, não posso viver
Não vale a pena existir 
Escuta o meu clamor
Mais que o ar que eu respiro
Preciso de Ti

Não posso esquecer
O que Fizeste por mim
Como alto é o céu
Tua misericórdia é sem fim
Como um pai se compadece dos filhos assim Tu me amas
Afasta as minhas transgressões
Preciso de Ti
(...)

SABEDORIA.

“Mais sábios que os homens são os pássaros. Enfrentam as tempestades noturnas, tombam de seus ninhos, sofrem perdas, dilaceram suas histórias. Pela manhã, têm todos os motivos para se entristecer e reclamar, mas cantam agradecendo a Deus por mais um dia. E vocês, portadores de nobre inteligência, que fazem com suas perdas?”
(A. Cury)